Explicando Essa Coisa de Blog

“Ok, o César Barroso me convenceu…” Essa frase poderia explicar porque finalmente me decidi a abrir um blog para mim. O César está “fechando” seu blog de assuntos gerais, o já saudoso “Leia Junto”, blog o qual participei ativamente desde o início, não só com comentários frequentes, mas, também, com muitas conversas pessoais com o César; e este agora me pede que eu abra o meu próprio blog, talvez para que este possa ser uma espécie de legado a seus antigos leitores fiéis ou para que ele tenha um lugar amigo onde possa fazer comentários quando lhe der na “telha”, trocando de posição comigo, na verdade. Contudo, o processo de aceite da sugestão e/ou incentivo, minhas ponderações com meus botões é que devo partilhar com meus futuros leitores, para que eles saibam o que esperar desse blog que inauguro.

Por já mais de 15 anos tenho sido um comentarista diletante nesse grande dazibau que é a Internet. O dazibao (nome de uma livraria que tinha lá no Rio – pausa para a necessária Googlada – sim, ainda existe…) era uma prática que surgiu  a milênios na China e que foi ressuscitada durante a Revolução Cultural de Mao, como forma de driblar a censura oficial. Tratava-se de um mural público onde alguém anonimamente ou não afixava uma mensagem qualquer, uma aviso, uma denúncia, uma exaltação ou, mais constantemente, uma reclamação. Quem tivesse algo a acrescentar ou contestar, afixava outra mensagem em resposta, iniciando-se aí intermináveis discussões ou debates. Claro que muitos simplesmente retiravam ou pichavam a mensagem inicial quando esta falava algo que o incomodasse… Daí, talvez, o dazibau original nunca tenha se espalhado por todas as culturas, só restavam denúncias que não incomodavam ninguém e o que ficava era apenas textos de assuntos de pouca relevância conflitiva… Com a Internet, esse novo mural público, criou-se espaços invioláveis que, inclusive, não são totalmente dependentes de financiamentos, onde alguém, um paria qualquer, pode vir e jogar um raciocínio em um grande caudal de conversas humanas, como uma garrafa lançada ao acaso no oceano e, com muita sorte, iniciar uma revolução, desestabilizar os sistemas sociais e… Calma… Não vou fazer nada disso (somente umas pífias tentativas…). Só estou lembrando os leitores do meu “texto de breque”, uma embolada de idéias que caracteriza o meu estilo de escrever… Prometo me policiar quanto a isso nos artigos de início de debate, já dentro… Vou manter a característica do Leia Junto que é do blogueiro, sempre que cabível ou necessário, participar dos debates.

Comecei a participar de debates na Internet muito anos antes do termo “blog” ser cunhado. Foram anos de participação, praticamente diária, nos New Groups da USENET (que na verdade iniciou-se como uma seção da Internet, como a posterior Web seria… mas, que, na verdade, acabou sendo a mesma coisa, assim como esse blog, apenas mais um endereço na Internet…), algo hoje em desuso entre os internautas, mas , cuja mecânica, em essência é esta de alguém puxar um assunto, já expressando uma opinião ou não e outros saírem dando seus palpites dentro do espaço apropriado a isso. Na USENET eu era mais dado a comentar em debates iniciados por outros do que puxar meus próprios assuntos… Quando agregamos comentários, podemos ser muito mais irresponsáveis, muito mais divertidos na verdade. Foi o “outro” que quis falar daquele assunto, pois então que escute… Por isso, tenho resistido tanto a idéia e o incentivo dos amigos de abrir um blog só meu… Estou mais acostumado a ser um comentarista do que um articulista de assuntos. Muito embora reconheça que nos blogs, quando queremos comentar determinados assuntos que não são abordados pelo blogueiro, somos obrigados a atravessar o artigo em pauta, o que não é um procedimento muito elegante ou proveitoso.

Mas, por que não continuei na USENET, se lá poderia optar entre abrir novos debates ou somente ficar comentando sem maiores compromissos? Porque descobri que um ambiente de troca de idéias sem um controle de qualidade e comportamento propicia a pichação e o desvio intencional dos assuntos tratados. O espaço virtual acaba sendo invadido por aqueles que tem mais a perder do que a ganhar com a livre troca de idéias. Só para exemplificar, o grupo que eu freqüentava, o Soc. Culture Brazil, foi invadido por petistas desvairados, gente que muitas vezes pensava estar defendendo seus empregos, seu ganha pão em alguma autarquia estatal qualquer! Deve ter sido um treino do que fizeram na Internet nas últimas eleições, segundo consta de muitas reclamações. Fanáticos religiosos são fáceis de se espantar porque possuem medo de profanações, de expor suas crenças ao escárnio dos outros; já fanáticos políticos com viés fisiológicos, julgando lutar por sua sobrevivência, são impossíveis de se afastar apenas com a clareza de raciocínio. Lá não havia mais aprendizado possível! Sim, contestando e sendo contestado, de forma mordaz que seja, é a melhor maneira de aprendermos uns com os outros. O “diletante” é, na verdade, apenas uma expressão metafórica. O gosto de aprender leva a remunerações acima do simples prazer pessoal.  Debater um assunto é aprender e ensinar da melhor forma possível, sentindo prazer da única forma que isto se faz presente, tendo como pano de fundo o risco de ser contrariado ou desmoralizado em suas opiniões… A tal da adrenalina… Aprender é o lucro de quem comenta, de quem interage, de quem expõe suas idéias.

Quando comecei a participar de debates na Internet eu tinha uma agenda ideológica, digamos assim, mais ou menos definida… Resumindo: seria alguém que acreditava fielmente nas forças do mercado, que tinha mudado do Brasil para os EUA em função disso também, mas, que me livrava de uma definição clássica de centro-direita por ser completamente ateu… Hoje, após todos esses anos de aprendizado em debates, ampliei meu ceticismo e não consigo enxergar mais nenhum sistema social que eu possa acreditar ou concordar plenamente. Traçando uma analogia com o que observo nas sociedades humanas, seria algo como que esperar que as formigas nascessem todas iguais e lhes pedissem para que voluntariamente escolhessem ser trabalhadoras, soldadas ou rainhas. Não pode dar certo, ou melhor, “não dar certo” faz parte da coisa. Sem um DNA pré-existente e formatador haveria um eterno conflito entre rainhas-trabalhadoras, rainhas-soldadas e rainhas-rainhas, ou seja, todas iriam querer ser rainhas e só seria rainha aquela que conseguisse convencer as demais como é bom ser trabalhadora ou soldada. O pior é que as duas perguntas iniciais que toda formiguinha faz intuitivamente ao ser convidada a participar do formigueiro (“Por que?” & “Pra quê?”) ninguém consegue responder sem inventar toneladas de sofismas e/ou deslavadas mentiras… Esse é o quadro que observo. Um ser acidental que tenta encontrar um propósito que a mais pura razão indica não existir. Quanto mais este antropóide pensante refina seus conhecimentos mais topa com despropósitos. Se o leitor estiver rindo nesse momento ainda temos alguma chance de entender tudo isso.

Até por falta do que fazer, só nos resta aproveitar o pouco de saber que temos e partir para o desafio de encontrar um propósito, quase um jogo de paciência enquanto vivemos. Bom, nesse jogo, encontrar saídas místicas e/ou que ninguém entenda ou concorde é como roubar no jogo e ficar satisfeito com as fichas falsas que roubou. Há controvérsias quanto ao fato do objetivo do jogo ser esse mesmo, enfim… No blog que conduzirei vou tentar desmascarar as fichas falsas. Tome cuidado se você acha que possui fichas verdadeiras.

Antes de topar esse desafio do blog, tenho que alertar a todos quanto a minha proeminente verborragia, esse é um blog para quem tem saco e gosta de ler. Meu poder de sintaxe é fraco, muito aquém do que eu gostaria. Vou cometer desastres gramaticais e os ortográficos vou minimizar passando o texto no corretor (o que também acarreta em acidentes de revisão, como vocês devem saber). Se algo não fizer sentido, por favor, não pensem duas vezes antes de me chamarem a atenção, mas, por favor sejam tolerantes com o amigo que está propondo apenas uma boa troca de idéias. Estejam alertados também quanto alguns palavreados chulos que eventualmente eu profira… Não sou homem de perder piadas fáceis e por mais que eu me controle, por vezes um transgressor cafajeste portador da verdade que arde “baixa” em mim de forma incontrolável e falo mais do que devia, não perdendo a viagem. No entanto, garanto que não sou de atacar o portador da má notícia, adoro quando provam que estou errado, tanto quanto gosto de provar que o outro está errado. Mas, o que gosto mesmo é que acrescentem, que me deixem morrendo de inveja por não ter sido eu a fazer aquela arguta observação. Lembrem-se que estamos todos aprendendo, uma besteira qualquer já é lucro.

Depois de todo essa obrigatória introdução ou blá-bla-blá, devo avisar que sou o ser mais preguiçoso que eu conheço. Estejam certos que a tal falta do poder de sintaxe castiga mais a mim do que ao leitor. Pensava outro dia: Sou tão preguiçoso que mesmo de férias ou quando desempregado, gosto mais dos finais de semana. É como se nesses dias fosse retirado do ar aquela pergunta desagradável: “Você não está fazendo nada?!” Como que se pensar, estar lendo ou vendo algo na TV não fosse fazer nada… Ora, ora, ora… Mas que fosse… Eu sou uma das poucas pessoas que conheço que sabe e gosta de não fazer nada. Respirar está de bom tamanho como tarefa obrigatória. Sendo assim, depois desses anos todos comentando notícias ou assuntos trazidos pelos outros, fico um pouco assustado com a burocracia obrigatória de trazer assuntos para serem comentados. Por questões de copyright não posso fazer copy & paste de notícias lidas alhures, então abusarei de apontar links para as matérias jornalísticas as quais trago para o debate, sempre acrescentando comentários alvinegros, ou seja, botando fogo no assunto.

Agora… Uma má notícia para aqueles sem alma e paciência de antropólogo cultural. Vou falar de novelas e futebol também, quando for o caso. O Teorias é um blog brasileiro para brasileiros, escrito por um norte-americano carioca e acima de tudo botafoguense. Minha amarelada carteirinha de sócio do Botafogo é o único documento de identidade que pessoalmente considero válido, mesmo não pagando mensalidades a quase meio século. Contudo, paulistas, argentinos, petistas, republicanos, místicos-dependentes e flamenguistas são meus convidados também, desde que se comportem portando suas respectivas taras. Eu não respeito opiniões alheias, respeito opiniões coerentes com elas mesmas.

Em homenagem a Isabela que nasceu ontem… Depois de 6 bebês machos (3 filhos e 3 netos) recebemos nossa primeira bebê fêmea.

P.S.: O blog se chama Teorias em homenagem ao meu site teoriasonline.com  Tudo é uma teoria, inclusive essa.

Anúncios

Sobre João Canali

Jornalista brasileiro e norte-americano residente em Miami, produtor e apresentador do Seriado Teorias (You Tube).
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

16 respostas para Explicando Essa Coisa de Blog

  1. fbarbuto disse:

    Cheguei primeiro! 🙂

    Parabéns pelo blog, vamos ver se atrai freguesia… Me inclua desde já nela.

    Abraços,

    Fausto

    • joaocanali disse:

      Fausto, você chegou primeiro duas vezes… Ao que me lembre você também foi o primeiro a me sugerir montar um blog só meu… Falou até de fazê-lo de casa com um servidor dedicado. Vamos ver se você também foi o primeiro a acertar no tamanho da freguesia…

  2. Luciene Cunha disse:

    Eu nunca participei de um blog devido ao tempo que era muito excasso, mas gostei de ler o seu. Primeiro ele me foi enviado pelo Cesar a quem eu conheco pouco mas respeito muito e segundo que o meu Portugues esta tao fraquinho que eu preciso ler algo em Portugues. Achei o seu Portugues perfeito para o meu proposito. Estou curiosa pra ler o seu blog tambem pelos assuntos que provavelmente serao bordados. Te agradeco por tirar o seu tempo pra colocar o blog online. E concordo plenamente com a sua ideia a respeito do tempo. No final de semana nao fazer nada nao pesa tanto pois e um efeito psycologico e isso alivia a imposicao que nos e feita que temos que esta sempre produzindo algo. Do contrario somos taxados como “preguicosos” ou melhor “malandro”…hehehe…. as vezes eu me pergunto por que nao tirar uma semana e ficar dormindo todos os dias e simplesmente nao fazer nada? Mas chego logo a conclusao que tambem ja e como uma tatuagem na minha alma que nao posso ficar sem fazer nada. Se tiro umas ferias tenho que viajar, ir ao Brasil ou fazer alguma coisa fora da cidade. Ficar esticada no sofa vendo TV como um gato simplesmente ainda nao esta em meu DNA….hehe…
    as vezes tento pensar onde foi exatamente em que a sociedade nos faz sentir “guilty” ou seja culpados por simplesmente ficar parados e nao fazer nada…ou sera que somos nos mesmo que nos imponhamos essa condicao de esstar sempre trabalhando, correndo fazendo qualquer coisa?
    Boa sorte no seu blog e desculpa os erros de gramatica ou concordancia… ja fazem ben uns 25 anos que nao escrevo Portugues…

    • joaocanali disse:

      Luciene, seja bem vinda… Ainda mais você que tão bem compreendeu meu comentário acerca dessa pressão horrorosa imposta pelos senhores invisíveis da sociedade que querem paranoicamente nos escravisar e fazer-nos sentir felizes por fazermos algo que não queremos. Por que não se contentam apenas com o nosso conformismo diante do fato inevitável que temos que fazer algo para viver, quando não temos como bancar o nosso ócio, claro está? Por que encrencam com o conhecimento que o “fazer nada” não existe e é cheio de coisas boas que gostamos de fazer, ou melhor, de “não fazer”? Seriam esses senhores invisíveis portadores de hiperatividade, essa doença horrível geralmente acompanhada de uma descomunal falta de imaginação? Ou seriam escravocratas que não querem concorrência, que só conseguem o mais puro ócio com os outros trabalhando para eles?

      Se você seguir o meu blog, eu lhe prometo que faleremos de outras coisa mais que querem que acreditemos…

  3. cesarbarroso disse:

    João, tenho certeza que o Blog Teorias fará enorme sucesso. Conte com a minha presença constante e comentários. O Leia Junto deu filhote, e este certamente será muito melhor. O LJ valeria se apenas eu tivesse a oportunidade de ter suscitado seus comentários absolutamente geniais. Repito que o jornalismo brasileiro precisa lhe descobrir. Acho até que o Blog Teorias será o caminho.
    Um forte abraço,
    Cesar

    • joaocanali disse:

      César… Se você estiver certo… isso vai me dar um trabalho… Bicho… não sei se estou preparado para essa canseira toda não… E se o modo baiano baixar no pedaço corporal? Que faço eu no meio desse sucesso todo que você imagina? Em todo caso, vamos lá, o Blog Teorias aceita a partenidade do Leia Junto e claro, conta com o seu DNA para tanto.

  4. Oi, João Canali
    Fiquei muito feliz em saber, pelo Cesar Barroso, da sua iniciativa em abrir o seu Blog. Parabéns, você tem muito a nos acrescentar, as suas teorias podem virar boas práticas.
    Pelo seu relato já está há muito escrevendo e enriquecendo os nossos conhecimentos com seus ótimos comentários.
    Sempre gostei de lê-lo, mas às vezes, timidamente, resolvia comentá-lo.
    Como sou uma avó que gosta muito de aprender, espero que me aceite numa boa. Afinal, sou carioca (embora há seis anos moremos em Cabo Frio – RJ), sou flamenguista e meu Antonio torce pelo Fluminense, que acaba de ser campeão do Brasileirão, como vc já deve saber.
    Temos tres filhas, sete netos (quatro meninos e tres meninas) e uma bisneta. Milena de cinco anos.
    Esperamos a Sofia, filha da nossa filha do meio, Gabriela e seu marido Márcio.
    Imagino a sua felicidade e de toda a família com a chegada da Isabela! Parabéns!
    Um abraço e tudo de bom a todos que ama!

    • joaocanali disse:

      Obrigado pelo incentivo Zilda, conto com seus ponderados comentários que sempre trazem o norte do pensamento social honesto e informações muito úteis de como o brasileiro de um modo geral (você reflete isso de forma suberba) está reagindo a determinadas notícias ou fatos. Estando longe, esse feedback é muito útil.

  5. evandro barreto disse:

    Oswaldo, Gerson e Nilton Santos; Rubinho, Ávila e Juvenal; Paraguaio, Geninho, Pirillo, Otavio e Braguinha.
    Saudo a estréia do blog de um botafoguense de carteirinha amarelada pelo tempo com a escalação do time do Botafogo que foi campeão carioca em l948, ano da estréia de Nilton Santos, um zagueiro tão diferente que não dava pontapé, ia ao ataque contrariando os técnicos e jogou em um só clube em toda a longa carreira. Escolhi essa homenagem como forma de respeito e incentivo aos diferentes. Porque tenho a certeza de que este blog tem tudo para se tornar um grande ponto de encontro de leitores e comentaristas portadores do saudável virus da rebanhofobia. A começar pelo próprio João Canali, tão fora dos padrões de manifestação ortodoxos como outros botafoguenses históricos: Heleno de Freitas, Garrincha, João Saldanha, Armando Nogueira, Sandro Moreyra e o mascote Biriba.
    Bola pra frente, João! Agora temos um forum adequado para reunir aqueles que se recusam a engatar o raciocínio no piloto automático.
    Aliás, eu sou Flamengo.
    Abraços,

    Evandro “Dodô” Barreto

    • João Canali disse:

      Evandro. já estava estranhando a ausência da sua força ao meu blog, espero que a Beth também não me falhe. Quanto a sua homenagem, nada me deixaria mais vaidoso e lisonjeado… É isso á, abaixo a ortodoxia que empesteia o mundo… criar é preciso.

  6. Sonja disse:

    Boa sorte com o blog Canali. E parabens pela Isabela (tenho uma sobrinha Isabela que mora em Curitiba e eh chamada de Isabelita Peron pela propria avo;’ poderia ser pior pois tem a dos Patins).

    E o Botafogo claro. Nao tem time que seja mais sublime.

    Fiquei nostalgica com a foto de SD, pois sou nascida la….

    Beijo grande.

    • João Canali disse:

      Oi Sonja, já sei você achou o meu blog pelo Facebook. Estava preparando um email convite para todos os amigos, na verdade quase um Spam, onde você seria obviamente convidada e “ocê” adiantou-se. Obrigado também pela subscrição, aliás você foi a primeira, o suficiente para me animar. Cada vez que eu escrever um artigo novo você será alertada por um email… Sendo assim, já não fico mais com aquela chata impressão que escrevi com o risco de ninguém ler…

      Bom, o Botafogo… Acompanhei a maioria dos jogos desse brasileiro ao vivo pela Internet… Como alguém já disse… O Botafogo não perdeu uma única oportunidade de perder uma boa oportunidade. Mas, uma coisa é certa, o Fluminense não seria campeão se tivesse metade das baixas que tivemos por conta das contusões. Deixa eu parar porque a fama de chorões já corre a grande… O balanço do ano acabou sendo positivo.

      So… Welcome, conto com seus comentários londrinos com sabor de pão de queijo. Você está em casa, disponha.

  7. Max Dias disse:

    João Canali, que grande alivio saber de vc! Já estava achando que vc tinha sido arrestado pela Gestapo daí por alguma dessas suas costumeiras idéias revolucionárias. E parabéns pela neta, perdidaça na testosterona geral da familia. Vai ser o xodó de todos, sem dúvida. Achei seu blog bom, bem comportado, sem a faceta provocativa lendária do Canali. Falta-me um certo médico baiano para expressar com precisão o pensamento, Roger that? Estamos ultrapassando a maturidade, e entrando na sabedoria, essa fase que tem o intestino em grande consideração e que aprendeu, finalmente, a fazer um acordo com sistema nervoso autonomo. Esta é a comédia da vida, a alma finalmente se entendendo com o corpo e se tornando jovem, algo como o que aconteceu na esplendida parábola de Benjamin Button. Mas nossas ilusões passam a ser de curto prazo, ou até do aqui e agora, pois a tragédia é que esse corpo só vai na direção da desfuncionalidade. AQUI e AGORA, portanto, brindo seu blog, produto especial de seus maravilhosos e elásticos neurônios, axonios e dendritos. Estarei sempre por aqui.
    Um grande abraço do Max, ainda bastante vivo.

    • João Canali disse:

      Grande Max…

      Tem uma tal de Homilandia (da terra dos “homi”… os “homi” vem aí…) aqui, mas tá tudo em casa… Você é testemunha que eu estou bem compotado, essa coisa de ser o anfitrião gera uma certa responsabilidade antes que a Vodka entre em ação, claro… O problema vai ser se eles me inventam que alguma sueca sem camisinha… Aí eu to fú… Vou levar injeção letal da patroa… cadeia inglesa seria excelente opção… Em todo caso estou com uma cópia aqui da primeira emenda, feito um cruxifixo prá espantar vampiros… Mas, eu tenho mesmo é que arrumar uma bala de prata… e nessa crise tá difícil…

      Puxe a cadeira que acabou de começar, tinta fresca, ainda reunindo os amigos… Também convidei o Roger, vamos ver se o email dele ainda é válido, o Fausto já está por aqui no virtual desde o Leia Junto… Aos poucos vamos nos reagrupando… Se aparecer algum dos chatos crônicos do SCB, demonstrando que não fez tratamento, rasgo a primeira emenda e censuro geral, vai ficar falando sozinho… Vamos nos divertir em paz, garanto.

      Muito bom ter a sua presença.

  8. luizcamargo disse:

    Canali:

    Parabéns pelo blog. Como estou chegando com cerca de um mês de atraso, não me restaram muitas palavras a dizer, pois disseram acima quase tudo que eu poderia falar. Mas posso te dizer que sempre que puder passarei por aqui para uma meia dúzia de palavras.

    Li o texto de despedida do Cesar, em seu blog, o “Leia Junto”, onde casualmente te reencontrei, e onde pus lá não mais que uns três ou quatro posts, onde o incansável Cesar diz estar “descrente de, através de discussões, chegarmos a resultados concretos”.

    Aqui em seu texto você fala de experiências anteriores em grupos de internet, citando o caso do Soc.Culture.Brazil, espaço que compartilhamos com tantos amigos por muitos e muitos anos. Lembro-me que lá certa vez até fiz um post a respeito não do fim dos grupos de discussão mas sim da permanência de seus membros: muitos ficam por anos a fio, e outros nem tanto. Naquela ocasião me pergunta o porquê disto. A conclusão que cheguei na época foi semelhante ao seu atual comentário de que “um ambiente de troca de idéias sem um controle de qualidade e comportamento propicia a pichação e o desvio intencional dos assuntos”. Talvez seja este o motivo da descrença ressaltada pelo Cesar.

    Canali, não poderia haver um mediador de seu quilate. Acho que ao promover a seleção dos assuntos por Categorias fez um bom avanço.

    Fico feliz de rever aqui como participantes o Max velho de guerra, e a nossa querida Sonja, que por certo contribuirão muito, além dos demais, para manter elevado o nível dos debates. Canali, se puder, além do Roger, lembrado pelo Max, convide também aquela boa turma antiga, Lize, Ribamar, Bob, Amehd, João Luiz, e outros que não lembro no momento.

    Mais uma vez te parabenizo pelo Teorias.

    Luiz Camargo

    • João Canali disse:

      Obrigado Luiz, não só pela parabenização como também por comparecer, já estava preocupado, uma de minhas maiores motivações para montar o blog seria poder oferecer uma boa hospedagem aos bons companheiros do SCB. Quando o inaugurei mandei emails a todos aos quais tinha endereços de email (não tinha o seu), por sorte o Max havia mantido seu email e você e o Fausto já estavam no Leia Junto… O Roger, o qual eu tinha mais de um email, pois sempre nos correspondemos (até uns dois anos atrás), não deu sinal de vida até agora… Mas, se bem o conheço, ele deve estar participando de tantos blogs que não quer se comprometer com mais nenhum…

      Pensando no tema que você abordou, temos uma comparação bastante significativa nos dias em que vivemos, com o que acabou acontecendo no SCB… Falo de poluição e degradação ambiental… Tal qual ocorre com os elementos da natureza planetária o meio ambiente social também está sujeito a degradação… A mim não importava tanto as agressões, aliás os melhores debates em termos de conteúdo se davam debaixo de porrada… A raiva é muito mais criativa em determinadas circunstâncias e o anonimato que muitos adotavam propiciava verdadeiras catarses que daria inveja a qualquer psicanalista… Mas, a pichação inconsequente, aqueles ativistas do PT lançando saravaidas de posts, o fim da paciência e consequente abandono dos bons debatedores retiraram todo o tesão da coisa… Bom, com o blog saímos do ambiente público, da pracinha onde nos reuníamos e fomos para minha casa, algo assim… Algum prejuízo sempre haverá, não só pela limitada quantidade de posts que posso gerar, como também pelos temas abordados refletirem o meu gosto pessoal… A estrutura do blog cria pequenos ditadores, essa que é a verdade… As pessoas acessam querendo debater uma determinada questão ou mesmo querendo saber minha opinião e me encontram falando de um assunto qualquer totalmente alheio a preocupação imediata do leitor… Na estrutura aberta do SCB ou se encontraria alguém comentando a última notícia do momento ou ela poderia abrir um post e botar pra fora a sua sacada…

      Contudo, vamos tentar aproveitar o que é possível ser feito dentro dessa estrutura privada. Vou tentar servir um cafezinho bem quentinho e ainda perguntar se querem adoçante ao invés de açúcar (cá entre nós… só por cortesia… não tenho adoçante algum na dispensa, já que abomino 95% do que dizem que é bom para saúde ou não engorda…).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s